Trecho da nova 'estrada solar' da China foi roubado em menos de uma semana - Revista Fundações
All for Joomla All for Webmasters
Edições
Trecho da nova 'estrada solar' da China foi roubado em menos de uma semana - Revista Fundações
14922
single,single-post,postid-14922,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,smooth_scroll,,qode-theme-ver-2.2,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

Trecho da nova ‘estrada solar’ da China foi roubado em menos de uma semana

08:00 18 janeiro in Matérias, Site
Uma das suspeitas pela motivação do crime, envolve espionagem industrial
chinasolar
Este texto é do site do Olhar Digital. A reprodução dele neste site faz parte do clipping diário da editora Rudder.

No final de 2017, a China inaugurou sua primeira “estrada solar”, pavimentação coberta de placas fotovoltaicas capaz de absorver luz do sol para gerar energia elétrica para transporte público. Só que em menos de uma semana, um trecho dela foi roubado.

A área se estende por 2 quilômetros da estrada e é composta por três camadas: concreto transparente na parte superior, painéis fotovoltaicos no meio e isolamento na parte inferior, somando apenas 3 centímetros de espessura.

Ao todo, são mais de 100 mil paineis solares que foram inaugurados no dia 28 de dezembro. Cinco dias depois, na manhã de 2 de janeiro, uma equipe de inspeção percebeu que um trecho de quase 1 metro havia sumido da estrada.

Não há sinais de que o pedaço desaparecido tenha se soltado por acidente, mas parece ter sido cuidadosamente recortado. A polícia de Shandong, na China, investiga o caso e trabalha com múltiplas hipóteses.

Uma delas é a de que o furto tenha sido obra de espionagem industrial. Na China, placas fotovoltaicas não são tão caras, e o trecho coberto por concreto também é inutilizável em qualquer outro local que não seja a estrada solar.

É possível, portanto, que alguém tenha roubado o pedaço para tentar recriar a tecnologia, citaram fontes da imprensa chinesa (viaTechCrunch). A estrada precisou ser brevemente fechada para que os reparos fossem feitos, mas já foi reaberta.

Editora Rudder

redacao@revistafundacoes.com.br