All for Joomla All for Webmasters
Edições
Trabalho de impermeabilização é destaque em projeto - Revista Fundações
15222
single,single-post,postid-15222,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,smooth_scroll,,qode-theme-ver-2.2,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

Trabalho de impermeabilização é destaque em projeto

13:06 02 abril in Matérias, Site
MMA (Resina de Metil Metacrilato) foi um dos componentes presentes na solução de impermeabilização
Praça Pamplona

Por Dellana Wolney

Recentemente o empreendimento Praça Pamplona passou por uma reformulação no seu projeto. A finalidade das intervenções foi modernizar e ao mesmo tempo preservar o desenvolvimento arquitetônico do conjunto e a configuração plástica de cada um de seus edifícios. O casarão presente em uma área de aproximadamente 6 mil m² durou até o final de 1950, dando espaço, posteriormente ao Instituto de Física Teórica que hoje também divide a área com um teatro digital (planetário) e uma casa tombada pelo patrimônio histórico.

As intervenções feitas recentemente no complexo multiuso, com mais de 36 mil m² de área construída, abrangeram etapas desafiadoras, por exemplo, a impermeabilização da cúpula do teatro digital, caracterizada por ser uma meia esfera aberta que abriga um planetário.

A MMA (Resina de Metil Metacrilato) foi um dos componentes presentes na solução de impermeabilização, elaborada pela empresa Miaki Revestimentos que atendeu a demanda de encontrar uma solução para uma superfície de concreto projetado irregular e áspera, sem descaracterizar a superfície e ainda ter total cobertura, penetrando por toda superfície sem deixar falhas.

Este sistema moldado in loco a base de MMA fornecidas pela Evonik sob a marca DEGADUR®, somado aos flakes (flocos de tinta), permitiu que a concepção arquitetônica planejada fosse atendida em todos os seus aspectos, incluindo textura, cor e forma. O trabalho abrangeu componentes técnicos de impermeabilização e componentes estéticos da cor, brilho e efeito, pois ao mesmo tempo em que apresentou durabilidade e resistência, também viabilizou a criação de efeitos estéticos.

O MMA está inserido em um grupo de resinas ésteres que, devido às suas propriedades diferenciadas, permitem múltiplas formas de aplicações. No setor de construção, por exemplo, as resinas reativas à base de metacrilato como esta, têm sido usadas durante décadas para proteger superfícies.

No Brasil, o material ganhou mais espaço pelo seu desempenho, que é bem superior aos outros produtos similares, bem como à rapidez que exerce durante a fase de aplicação e liberação de área e versatilidade para a fase de acabamentos, encaixando-se em diversas espessuras e acabamentos. Outro grande benefício é a sua cura rápida, mesmo em temperaturas mais baixas, ou que representa tempos curtos de interrupção e perda mínima de produção.

O MMA possui ainda resistência aos raios UV (Ultravioletas), ou seja, não se desgasta facilmente quando submetido a algumas condições climáticas. Pela sua resistência mecânica e química é altamente eficiente para proteção e reparo de superfícies de concreto, podendo ser empregado em obras de estádios, aeroportos, hotéis, cozinhas industriais, halls de acesso, áreas de exposição entre outros.

Processo

A gerente comercial de impermeabilização da empresa Miaki, Elisabeth Fernandes conta que impermeabilizar toda a cobertura da concha acústica do teatro digital, sem alterar o seu aspecto arquitetônico e agregar uma estética diferenciada, baseada em flocos de tinta multicoloridos, imitando uma concha marinha foi um dos objetivos desta etapa da obra. “Antes de decidir executar a base de metilmetacrilato, não havíamos encontrado nada similar no mercado que pudesse atender todas as necessidades exigidas, como a rápida aplicação”, revela.

A execução da impermeabilização foi feita a partir da etapa de preparação da área, que abrangeu: remoção de contaminações, sujeiras e partes soltas de toda a área, bem como lixamento e limpeza do local a ser impermeabilizado; aplicação do primer PMMA, que é um promotor de aderência entre o substrato e a membrana PMMA; arremates em PMMA, que abrange o encapsulamento de ralos, tubulações, rodapés e todas as interferências e pontos frágeis com o tecido estruturante e membrana PMMA.

Em seguida foi feita a aplicação da membrana PMMA, que é flexível e capaz de suportar as movimentações da base mantendo a integridade do sistema; aplicação do acabamento PMMA, que é uma camada mais rígida para suportar o tráfego de pessoas, além de ser estética, podendo ser adicionada com flocos de tinta; aspersão dos flocos de tinta sobre o acabamento e, por fim, aplicação de verniz incolor.

Embora a arquitetura tenha priorizado a forma e a textura que remetia às conchas que carregavam pérolas por associar-se à ideia de um berçário de estrelas e, portanto, de um planetário, o arquiteto Samuel Kruchin conta que houveram alguns fatores desafiadores para conceber este conceito. “Tínhamos um grande problema: não encontrávamos uma solução técnica que permitisse dar expressão a esta ideia. Todas as alternativas levavam a uma solução convencional muito distante do desejado”, revela.

Ele diz que nesse sentido, a solução encontrada pela Miaki foi absolutamente decisiva para aproximarem a concepção e realização da obra, pois foi ela que deu o toque fundamental para o efeito expressivo e para a abertura de alternativas plásticas que ampliaram sobremaneira as possibilidades de projeto.

 

Diferenciais da MMA (Resina de Metil Metacrilato)

  • Rápida aplicação e liberação da área em duas horas após a aplicação;
  • Baixo peso estrutural e espessura;
  • Não tem necessidade de proteção mecânica;
  • Pode ser aplicado diretamente sobre a laje;
  • Impermeabilização aparente e estética, podendo ser adicionada com flocos de tinta ou quartzo colorido.

Editora Rudder

redacao@revistafundacoes.com.br