Barragem de Mariana (MG): Prefeitura autoriza reconstrução de área
All for Joomla All for Webmasters
Edições
Barragem de Mariana (MG): Prefeitura autoriza reconstrução de área
15677
single,single-post,postid-15677,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,smooth_scroll,,qode-theme-ver-2.2,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

Autorizada reconstrução de área atingida por rompimento de barragem

08:00 03 agosto in Matérias, Site
Prefeitura de Mariana emitiu documentos para obras em Bento Rodrigues
barragem

A prefeitura de Mariana, em Minas Gerais, emitiu os documentos que liberam o início das obras de reconstrução do subdistrito de Bento Rodrigues, atingido pelo vazamento da barragem de Fundão, em novembro de 2015. O rompimento da barragem, de propriedade da mineradora Samarco, provocou o deslizamento de um grande volume de rejeitos que destruíram várias construções, deixaram 19 mortos e 225 famílias sem moradia.

O alvará foi assinado quarta-feira (1) pelo prefeito da cidade e autoriza a Fundação Renova, criada para gerir o processo de reparação e compensação socioeconômica e ambiental pelos danos causados pelo rompimento da barragem, a iniciar as intervenções no terreno da Lavoura, área escolhida pela comunidade atingida para o reassentamento.

Segundo a Fundação Renova, a reconstrução começará pela supressão vegetal e terraplanagem do terreno, que incluem as obras de infraestrutura, pavimentação, drenagem, redes de esgoto, distribuição de água e de energia. Para a construção das residências e equipamentos públicos, será necessária nova autorização do governo local.

A entidade estima que as obras ocorram em até 2 anos e, nesse período, cerca de 2 mil empregos possam ser gerados. O processo está sendo supervisionado pelo Ministério Público e pelos atingidos. Cada família que será reassentada está participando da elaboração do projeto arquitetônico das casas a serem reconstruídas.

A reconstrução de Bento Rodrigues também seguirá diretrizes elaboradas com a comunidade e leva em consideração as relações de vizinhança dos atingidos, a memória patrimonial e cultural da cidade e as especificidades do novo terreno.

Esta nota é da Agência Brasil. A reprodução dela neste site faz parte do clipping da editora Rudder.

Imagem: Christophe Simon/AFP

Editora Rudder

redacao@revistafundacoes.com.br