All for Joomla All for Webmasters
CTC/PUC-Rio promove palestra sobre usina de Belo Monte - Revista Fundações
14068
single,single-post,postid-14068,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,smooth_scroll,,qode-theme-ver-2.2,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

CTC/PUC-Rio promove palestra sobre usina de Belo Monte

10:42 04 julho in Eventos, Matérias
Evento reuniu engenheiros responsáveis pelo projeto

Por Dafne Mazaia

 O departamento de engenharia civil do CTC/PUC-Rio (Centro Técnico Científico da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro) promoveu no dia 18 de abril o seminário “Usina Hidrelétrica Belo Monte, no Rio Xingu”. Engenheiros que participaram do projeto e da construção da usina estiveram no debate, que foi direcionado aos alunos da universidade e à comunidade da ABMS (Associação Brasileira de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica).

Com a participação de aproximadamente 100 pessoas, o evento teve como objetivo levar as experiências e informações dos projetistas e construtores de uma das maiores obras de engenharia em desenvolvimento do Brasil. As empresas Norte Energia, CCBM (Consórcio Construtor Belo Monte), Intertechne e PCE (Projetos e Consultoria de Engenharia) participaram do encontro.

Os palestrantes das empresas responsáveis pelo projeto contaram diversos detalhes do empreendimento: como foi o planejamento da obra, os problemas que surgiram na implantação (desde às dificuldades de acesso até a acomodação das pessoas no local), como foi realizado o projeto do Canal da Derivação e o da Barragem de Pimental, entre outros.

De acordo com o engenheiro civil e professor da PUC-Rio, Alberto Sayão, que também coordenou o evento, um dos destaques do seminário foi o relato de como os engenheiros conseguiram atender os dois lados do projeto, tanto no âmbito da engenharia como ambiental. “O projeto original era um reservatório maior que demandaria uma área da Amazônia de maior extensão, assim para atender essas restrições ambientais o projeto foi modificado e no final, praticamente o reservatório ficou bem pequeno, porque usava praticamente a área que já era inundada em época de cheia pelo rio Xingu. Não foi preciso deslocar nenhuma comunidade indígena e teve muito menos desmatamento, isso foi uma grande contribuição da engenharia, dos projetistas, para reduzir os efeitos ambientais”, conta.

Depois das palestras, ocorreu uma sessão de debate com a plateia, onde foram esclarecidas as dúvidas com os palestrantes. O seminário foi encerrado pelo professor Flavio Miguez, com uma avaliação e resumo do encontro. Segundo Alberto Sayão, o núcleo de São Paulo da ABMS já demonstrou interesse em repetir o evento, mas ainda não há datas marcadas para a realização de um novo seminário sobre o tema.

Usina hidrelétrica

Editora Rudder

redacao@revistafundacoes.com.br