All for Joomla All for Webmasters
Edições
Produção de insumos de construção irá crescer 8% em 2018 - Revista Fundações
15190
single,single-post,postid-15190,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,smooth_scroll,,qode-theme-ver-2.2,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

Produção de insumos de construção irá crescer 8% em 2018

12:32 22 março in Matérias, Site
Em 2017, foi registrado uma queda de 3,3%
materiais de construção

Esta matéria é do portal Exame. A reprodução dela neste site faz parte do clipping da editora Rudder. 

Por Dino

De acordo com um recente estudo de mercado do Banco Santander, a produção de insumos, como azulejos e tintas, promete crescer neste ano. A motivação para isso não serão as grandes obras de infraestrutura e empreendimentos imobiliários – que andam em queda – mas, sim, pequenas reformas em casas e apartamentos.

A pesquisa aponta que a alta na produção crescerá 8%, um número significativo, visto que, em 2017, a queda foi de 3,3%. A maior perda do mercado, porém, aconteceu em 2015, num recuo de 12,5% na produção dos itens citados.

Neste contexto, vale ressaltar que – segundo representantes da empresa que realizou o estudo – o último setor que irá adquirir mais produtos de reforma será o de lançamentos imobiliários, que não demonstra números expressivos de crescimento.

Crescimento industrial

De acordo com informações divulgadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o ano passado foi marcado por um aumento em todos os segmentos industriais do país, em especial o de bens duráveis. Dessa forma, de modo geral a produção industrial cresceu 2,5% no ano de 2017.

Já para este ano, a entidade acredita que, a partir da continuidade da retomada econômica, a produção industrial promete alcançar o patamar de 4,7%, alcançando, aos poucos, o setor de construção.

Nesta retomada, a primeira recuperação foi na área de vendas, que recebeu uma alta de 9,2% no ano passado. No entanto, devido ao número de estoques ainda estarem elevados, a volta da produção demorou mais tempo.
Ainda segundo o IBGE, o que causou o desempenho positivo do setor de materiais de construção foram os juros mais baixos, o aumento da taxa de empregabilidade e, também, a inflação sob controle.

Um representante de uma empresa de produtos para reforma afirmou que o crescimento foi significativo na região Nordeste. Ele destacou que o aumento dos insumos só acontece quando, de fato, as famílias estão mais confiantes quanto à situação econômica. Afinal de contas, o orçamento acaba sendo utilizado para reformar e realizar manutenções, um gasto geralmente não emergencial.

Por fim, vale a pena ressaltar que a Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco) prevê que o faturamento total do setor será de 8,5% em 2018. Em 2017, o faturamento alcançou o patamar de R$114,5 bilhões.

No Brasil, o setor de material de construção – que oferece opções de piso vinílico e de piso laminado – conta com mais de 148 mil lojas, representando cerca de 9% do PIB do país. De acordo com especialistas, a cada R$1,00 produzido na construção, é gerado R$1,88 na produção geral.

O ramo ainda se destaca como o quarto maior gerador de empregos no Brasil e, além disso, remunera 11% a mais do que outros setores da economia. De maneira geral, o comércio de material de construção cresceu mais de 8% entre os anos de 2007 e 2014, principalmente incentivado por pessoas que desejam realizar reformas domésticas.

Dessa forma, para quem busca repaginar a casa nos próximos meses, é necessário realizar pesquisas em diversos locais. Os habitantes do Paraná podem contar com a loja PisoAqui que oferece opções variadas de pisos em Londrina oferecidos por especialistas do mercado.
Website: http://www.pisoaqui.com.br/

Editora Rudder

redacao@revistafundacoes.com.br