All for Joomla All for Webmasters
Edições
LUCIANO DÉCOURT PROPÕE A MODERNIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE FUNDAÇÕES NO BRASIL - Revista Fundações
14919
single,single-post,postid-14919,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,smooth_scroll,,qode-theme-ver-2.2,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

LUCIANO DÉCOURT PROPÕE A MODERNIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE FUNDAÇÕES NO BRASIL

08:00 17 janeiro in Matérias, Site
Segundo Décourt, muitos métodos ainda hoje usados na engenharia de fundações estão ultrapassados.
luciano_decourt_
Este texto é do site da ABMS. A reprodução dele neste site faz parte do clipping diário da editora Rudder.

Luciano Décourt percorreu o país levando a Palestra Milton Vargas para os associados da ABMS de todos os 10 Núcleos da entidade. O engenheiro foi direto ao ponto ao escolher o tema da palestra: “Quebrando Paradigmas na Engenharia de Fundações”. O objetivo era provocar debates envolvendo antigas práticas que ainda hoje são utilizadas no país e que já deveriam ter sido substituídas por práticas mais avançadas.

Segundo Décourt, que percorreu o país entre os dias 6 de novembro e 7 de dezembro, muitos métodos ainda hoje usados na engenharia de fundações estão ultrapassados.

“Utilizam-se conceitos surgidos há 60 anos e que hoje não fazem mais nenhum sentido”, ressalta o palestrante. “Aliás, a engenharia de fundações evoluiu muitíssimo, mas muitos continuam seguindo esses raciocínios ultrapassados”.

O engenheiro procurou demonstrar com exemplos o que há de anacrônico nessa área. Ele elencou alguns métodos mais modernos que podem substituir os antigos com inúmeras vantagens.

Um deles é relativo ao SPT (Standard Penetration Test) que segundo Décourt, pode e deve ser substituído pelo SPT-T (Standard Penetration Test com medidas de torque). “O SPT-T é uma versão do SPT mais completa e que dá informações muito mais precisas. Além disso, o custo dos dois ensaios é praticamente idêntico”.

Outro conceito que o engenheiro considera superado é o de tensão admissível que, segundo ele, serve para outros materiais, mas não para solos. “Hoje, um bom projeto de fundações deve almejar recalques iguais e não tensões iguais para todas as sapatas e recalques iguais, para cargas diferentes pressupõem tensões diferentes”.

Luciano Décourt falou também sobre monitoramento de recalques, algo que é de extrema importância em uma obra. Na visão do palestrante, essas medidas podem ser complementadas por avaliações das cargas dos pilares, o que irá permitir transformá‐las em provas de carga. Com isso, pode-se dar mais segurança à obra, antevendo-se eventuais problemas. “Provas de carga são, obviamente, muito mais abrangentes do que simples medidas de recalque”, assegura o engenheiro.

“Acredito ter alcançado meus objetivos com a Palestra Milton Vargas. Consegui transmitir tudo aquilo que queria”, aponta Luciano Décourt. “Agora, cada um utiliza as informações da forma que julgar mais conveniente”.

Décourt conta ter aceitado o convite da ABMS para estimular debates e contribuir para a atualização dos profissionais de fundações.

“Sinto-me realizado e com a sensação de missão cumprida. Acredito que tenha conseguido fazer aquilo que me propus”, comentou o engenheiro após o último encontro.

Confira aqui a apresentação em PDF de Luciano Décourt. Veja também o vídeo do evento.

Palestra Milton Vargas

A Palestra Milton Vargas da ABMS homenageia um dos fundadores da ABMS e o 1º presidente da Associação, o engenheiro Milton Vargas, e tem como objetivo disseminar a geotecnia e a ABMS em diferentes regiões do país.

Editora Rudder

redacao@revistafundacoes.com.br