All for Joomla All for Webmasters
Indústria da construção do Brasil descobre o MENACA - Revista Fundações
14076
single,single-post,postid-14076,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,smooth_scroll,,qode-theme-ver-2.2,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

Indústria da construção do Brasil descobre o MENACA

10:57 06 julho in Matérias, Site
Bloco formado por países do Oriente Médio, Norte da África e Ásia Central se apresenta como janela de oportunidades para exportações

Este texto é do site Cimento Itambé – Massa Cinzenta. A reprodução dele neste site faz parte do clipping diário da editora Rudder

Por: Altair Santos

O segmento da construção civil brasileira voltada para a exportação está concentrado em desbravar um novo mercado. Trata-se do MENACA (sigla em inglês para Middle East, North Africa and Central Asia [Oriente Médio, Norte da África e Ásia Central]). O grupo econômico envolve 30 países e até 2015 o volume de negócios com o Brasil era relativamente pequeno. Em dez anos (2005 e 2015), movimentou 22 milhões de dólares. No entanto, em 2016 houve um salto nas negociações. As transações comerciais entre o bloco e empresas brasileiras da cadeia produtiva da construção fecharam em 19,9 milhões de dólares

Muitos deles alvos de guerras recentes, os países do MENACA estão em reconstrução. Há também aqueles com quase total escassez de matéria-prima para fabricar produtos como cimento ou materiais de acabamento. Por isso, segundo especialistas em mercado internacional para a construção civil, boa parte dos países do bloco demonstra potencial para se transformar em sólidos parceiros comerciais do Brasil até 2030. Eles citam Cazaquistão, Azerbaijão, Argélia, Iraque, Afeganistão e Líbano como exemplos de potenciais consumidores de matérias-primas, know-how tecnológico, produtos e serviços.

Para Jorge Mortean, especialista em geopolítica e relações internacionais da Mercator Business Intelligentsia, o Brasil apresenta plenas condições para suprir futuras demandas do MENACA. “Países inteiros daquela região estão se reconstruindo. Não somente os árabes do Golfo Pérsico, nossos tradicionais parceiros comerciais, mas Cazaquistão, Azerbaijão, Argélia, Iraque, Afeganistão e Líbano também. São exemplos de mercados que pouco ou nada alcançamos e, no entanto, estão recebendo aportes de investimentos muito significativos”, destaca.

Bahrein liderou ranking em 2016

Dados mais recentes do mercado do MENACA voltado para a construção civil revelam investimento anual de 164,8 bilhões. Em 2016, o Bahrein foi o que mais viabilizou obras, com o volume de investimentos chegando a 3,2 bilhões de dólares, ante 1,5 bilhão em 2015. Kuwait, Omã e Catar mantiveram o ritmo, enquanto Emirados Árabes Unidos e Arábia Saudita reduziram o volume de obras em 2016. “O menor investimento destes países não afeta o dinamismo do bloco”, afirma Jorge Mortean.

O estudo de inteligência de mercado do MENACA foi baseado em dados do Banco Mundial e do ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). Os números consideram o desempenho em comércio exterior, desigualdade social, crescimento econômico, confiabilidade do mercado externo e cenários propícios a negócios internacionais. “O objetivo é auxiliar em novas investidas empresariais brasileiras, aproveitando o atual impulso nas relações comerciais com estas regiões”, diz o coordenador do estudo.

Outro fator que impulsiona as exportações de produtos da construção civil para o MENACA é que a região tem um setor de mineração relativamente pouco desenvolvido. Países como o Kuwait e os Emirados Árabes Unidos possuem baixos níveis de recursos minerais. Já África e Ásia Central têm depósitos minerais substanciais e leis de mineração relativamente novas, mas indústria de transformação incipiente, o que gera também negócios para investimento externo.

 

 

 

 

 

Bahrein

Editora Rudder

redacao@revistafundacoes.com.br