All for Joomla All for Webmasters
Edições
Auditoria em engenharia: entenda a importância deste trabalho
15591
single,single-post,postid-15591,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,smooth_scroll,,qode-theme-ver-2.2,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

Engenharia Estratégica II

08:00 13 julho in Ponto de Vista, Site
O engenheiro civil e especialista em perícias e avaliações de engenharia, Alberto Barth, aborda a importância da auditoria em engenharia
auditoria em engenharia

Dentro do painel da engenharia estratégica é oportuno o estudo do exercício da auditoria de engenharia aplicada não só a obras civis, mas a todo o processo que se envolve no partido gerencial e executivo delas.

Tem grande relevo a capacitação técnica do auditor líder e senão de suma importância o seu entendimento ético da questão. A ética, segundo Descartes, envolve a noção da virtude e da felicidade, que são entendidas como as disposições do livre arbítrio da razão sobre o bem e de um estado de bem-estar mental atingido pela virtude, noções que apenas são atingidas por um estado de consciência livre e desimpedida.

Passando ao campo estrito da engenharia para a realização de auditorias de qualquer modalidade, a capacitação técnica vai exigir na prática minimamente que o auditor tome a iniciativa de efetuar perguntas abertas do tipo: Por quê? Como? De que forma? E Evitar o emprego de “achismos”, ao não efetuar juízo antecipado, e manter a isenção sempre.

As auditorias quaisquer que sejam são integradas por vistoria preliminar, reunião de abertura, auditoria em si, reuniões entre envolvidos e auditores e encerramento.

As auditorias servem para avaliar os sistemas de gestão, sejam de qualidade, ambiente, dentre outros, podendo obter informações que levem a melhoria de qualidade, identificar “gargalos” e oportunidades.

Isto exige planejamento, execução e controle, estipulando quantidade de auditorias, relevância no tocante a conformidade ou adequação, procedimentos adotados, além dos itens que deverão ser abordados.

Também tem importância a elaboração pormenorizada de um checklist fundamentado que deverá ser antecipadamente examinado pelo auditado.

O checklist deverá atingir a todo o escopo da auditoria envolvendo métodos, procedimentos, rotinas de controle e questionamentos específicos ao tema.

A equipe de auditoria é formada pelo menos por um auditor líder, que será o mediador e responsável por ela, e de outro como assistente dela, ambos habilitados ao escopo da auditoria, a exemplo de um engenheiro civil auditando processos gerenciais de uma construção. Esta consideração não inibe que a equipe seja formada por um especialista em administração ou advogado, por exemplo.

A auditoria deverá observar as não conformidades presentes para que estas sejam, dentro de normas específicas, redigidas a fim de se buscarem as medidas corretivas aplicáveis ao caso.

A conclusão da auditoria deverá trazer as não conformidades observadas, as ações preventivas, os prazos de correção, e ao esclarecimento de dúvidas surgidas.

Ela deve ser entendida como um grande apoio ao sistema de gestão, servindo como um controle sobre ele, ao invés de uma ferramenta meramente punitiva aplicada a imagem ou aos colaboradores de uma organização.

A auditoria deve ser positiva! Ferramenta de utilidade diária ao auditado.

Alberto Barth é técnico industrial em cerâmica, engenheiro civil, pós-graduado em perícias e avaliações de engenharia, perito judicial, membro titular do IBAPE/SP (Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia de São Paulo), diretor desde 1994, do Escritório Técnico de Engenharia e Consultoria Alberto Barth SS Ltda.

Editora Rudder

redacao@revistafundacoes.com.br