All for Joomla All for Webmasters
Em Bauru, emprego na construção civil registra crescimento pelo terceiro mês consecutivo - Revista Fundações
14228
single,single-post,postid-14228,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,smooth_scroll,,qode-theme-ver-2.2,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

Em Bauru, emprego na construção civil registra crescimento pelo terceiro mês consecutivo

11:53 18 agosto in Matérias, Site
Cidade já superou os números do ano passado e segue com saldo de contratações aumentando

 Este texto é do Sinduscon-SP. A reprodução dele neste site faz parte do clipping diário da editora Rudder.

Por Bruna Dias

O setor da construção civil em Bauru caminha em busca de crescimento com saldo de emprego positivo pelo terceiro mês consecutivo e superação em relação ao ano anterior. É o que mostra pesquisa recente realizada pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP) em parceria com a FVG-SP (que trabalha com informações fornecidas pelo Ministério do Trabalho e Emprego).

Os dados se referem aos meses de junho dos anos de 2016 e 2017 e, assim como vem acontecendo nos últimos meses, continuam apontando a busca pela retomada do mercado nas principais cidades abrangidas pela Regional do SindusCon-SP em Bauru (veja quadro).

Bauru foi o grande destaque em números, seguida de Jaú. As demais: Botucatu, Marília, Avaré e Lins, seguem ainda com saldo abaixo do ano passado, mas os números mostram melhora nos níveis.

“Como já era esperado, o mercado começa a reagir, mesmo ainda com tantas incertezas no cenário político-econômico do País. Em Bauru, especificamente, a preocupação com a mudança das leis motiva os empresários. Recentemente, por exemplo, foi aprovado projeto de lei que já prevê o uso das Áreas de Proteção Ambiental (APAs) com Plano de Manejo”, destaca Ricardo Aragão.

Brasil
O emprego na construção civil brasileira caiu 0,39% em junho na comparação com maio e chegou ao 33º mês de baixa consecutiva. No período 9.675 pessoas perderam seus empregos, o que diminuiu o estoque de trabalhadores para 2,457 milhões (em outubro de 2014, primeiro mês de variação negativa, o estoque era de 3,57 milhões). Na comparação com junho de 2016, a diferença é de – 11,37%. Desconsiderando os efeitos sazonais*, a queda é de 0,61% em junho (-15.113).

A queda do nível de emprego na indústria da construção pelo 33º mês consecutivo é consequência da retração persistente dos investimentos de longo prazo, na avaliação de José Romeu Ferraz Neto, presidente do SindusCon-SP. “A crise política continua tirando o apetite dos investidores privados. E os investimentos do setor público seguem em declínio, com a baixa arrecadação motivando novos contingenciamentos nos orçamentos de governo”, comenta.

Para o presidente do SindusCon-SP, continuar a trajetória de redução dos juros, fazer avançar as reformas, racionalizar os gastos públicos e impulsionar as concessões e as parcerias público-privadas poderão reverter este quadro no futuro. “Mas os sucessivos sobressaltos na esfera política dificultam a agilidade e a eficiência destas ações”, lamenta.

Tabela Sinduscon-SP

Editora Rudder

redacao@revistafundacoes.com.br