All for Joomla All for Webmasters
Edições
Custo da construção paulista cresceu 2,08% em seis meses
15574
single,single-post,postid-15574,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,smooth_scroll,,qode-theme-ver-2.2,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

Custo da construção paulista cresceu 2,08% em seis meses

08:00 06 julho in Matérias, Site
Entre os materiais de maior relevância para o cálculo do CUB, as maiores altas foram em cimento, concreto e aço
custo da construção

Esta nota é do Sinduscon-SP. A reprodução dela neste site faz parte do clippling da editora Rudder.

Por Enzo Bertolini

O Custo Unitário Básico (CUB) da construção civil do estado de São Paulo cresceu 0,63% em junho na comparação com o mês anterior. Em seis meses a inflação no setor chegou a 2,08%. Em 12 meses a alta é de 3,03% (apenas em março não houve aumento).

De acordo com o SindusCon-SP, responsável pelo levantamento, o CUB representativo da construção paulista (R8-N) ficou em R$ 1.356,94 por metro quadrado no período.

Dentro da composição do indicador, os custos médios com mão de obra representaram 61,28%, materiais, 35,51% e despesas administrativas 3,21%.

Custos dos insumos
Em junho, dos itens que compõem o CUB apenas uma registrou variação positiva maior que o IGP-M (1,87%): cimento CPE-32 saco 50 kg (3,15%).

Entre os materiais de maior relevância para o cálculo do CUB, registraram alta o concreto FCK=25 MPa (0,91%) e o aço CA-50 Ø 10 mm (0,77%).

Com desoneração
Nas obras incluídas na desoneração da folha de pagamentos também houve alta de 0,63% em junho na comparação com maio, totalizando R$ 1.257,65 por metro quadrado. Em 12 meses, o indicador registra alta de 3,12%.

Na mesma base de comparação, foi registrada participação de 58,22% nos custos de mão de obra, 38,32% de materiais e 3,46% em despesas administrativas. 

Custo Unitário Básico (CUB)
Calculado pelo SindusCon-SP e pela Fundação Getulio Vargas (FGV), o Custo Unitário Básico (CUB) é o índice oficial que reflete a variação dos custos mensais das construtoras para a utilização nos reajustes dos contratos de obras.

Editora Rudder

redacao@revistafundacoes.com.br